Crítica – Stranger Things: 1ª Temporada

SEM SPOILERS

Sinopse: No dia 6 de novembro de 1986 Will Byers, um garoto de 12 anos, desaparece. A polícia, seus amigos e sua família buscam a resposta para o ocorrido. Após isso seus amigos encontram uma garota misteriosa com habilidades únicas e que pode ajudá-los a encontrar Will. Mas enquanto isso, uma agência secreta deseja acobertar todo o ocorrido.

Ambientada nos anos 80 a série é uma grande homenagem a tudo que foi produzido naquela época. Uma familiaridade com tudo que acontece na série é praticamente certa para quem viveu na época ou assistiu aos filmes depois, como eu. A série promete uma história cheia de mistérios e suspense e ela entrega tudo.

Toda produção está de parabéns. O clima e ambientação realmente passam a sensação de estar assistindo algo dos anos 80, além da trilha sonora, abertura, roupas e etc…

Como se trata de uma investigação acompanhamos quatro pontos de vista que na reta final se tornam três. Temos a Joyce (Winona Ryder), mãe de Will, que se comunicou com ele por meios misteriosos e é taxada de louca. Jonathan (Charlie Heaton), irmão de Will, que é o esquisitão da escola e se culpa por não estar em casa na hora do desaparecimento de seu irmão. Temos também a parte da investigação policial feita por Chief Hopper (David Harbour), que sofre por traumas do passado. Por fim temos a investigação dos amigos de Will. Eles são Lucas (Caleb McLaughlin), Dustin (Gaten Matarazzo) e Mike (Finn Wolfhard), que encontram a garota misteriosa (Millie Bobby Brown) e tentam encontrar o amigo desaparecido.

A série é uma combinação de referências e homenagens, pegando tudo de bom que foi feito ao longos dos anos 80 e nos brinda com uma obra gostosa de ser ver. Temos referências a O Enigma de Outro Mundo, Alien, A Hora do Pesadelo, Sexta-Feira 13, Conta Comigo, Star Wars, ET, Dungeons and Dragons, Stephen King, Poltergeist e muito mais.

O elenco é muito bom e o destaque com certeza está com o elenco mirim. Todos estão de parabéns. A amizade entre eles é crível. Até mesmo os momentos de briga entre eles são consistentes e bons de se ver. Quem nunca brigou com um amigo e na hora de fazer as pazes não queria dar o braço a torcer? Um relato pessoal é que eu não gostava do personagem do Gaten Matarazzo. Nos dois primeiros episódios eu não suportava vê-lo. A partir do terceiro fui gostando mais e na reta final não sei como a série funcionaria sem ele. Outra que se destaca muito é Millie Bobby Brown, que, mesmo falando pouco, sua expressão corporal e seu olhar falam muito sobre tudo que ela passou.

Mas como nem tudo são flores, Stranger Things tem alguns defeitos. O ritmo nos três primeiros episódios é bem lento. Pode funcionar para alguns, mas pode ser um problema. Acho que mais pela história não ser tão densa para precisar daquele ritmo. O foco que dão para o famoso núcleo amoroso adolescente mesmo sendo um clichê foi cansativo. O romance de Nancy (Natalia Dyer), irmã de Mike, é uma das coisas mais desinteressantes da série. A personagem em si só fica interessante depois que se envolve com a investigação. Outra coisa é o uso de CGI. Se o CGI fosse utilizado só para dar retoques finais seria muito mais interessante e bonito. Nas partes que ele é utilizado assim é muito bem executado. O monstro poderia ter sido feito utilizando uma “fantasia”, por ser um humanoide, pois nos momentos em que teve destaque ficou extremamente falso, tirando a imersão da série.

Stranger Things é uma homenagem a tudo de bom feito nos anos 80. O carinho e o esmero é claro na produção dos até então desconhecidos Duffer Brothers, que idealizaram e dirigiram a maioria dos episódios. Stranger Things é ótimo pra quem viveu a época, gostoso de ver por quem curte os anos 80 e vai pegar as referências e é uma boa pedida para quem tem a curiosidade de saber o que significa anos 80 e não tem a paciência ou tempo para ver tudo o que foi feito.

Nota: 8,5

INFORMAÇÕES
Título: Stranger Things
Temporada: Primeira
Episódios: 8
Duração: 40/50 Minutos
Gênero: Ficção Cientifica, Suspense, Thriller, Drama.
Criação: The Duffer Brothers
Produção: Matt Duffer, Ross Duffer, Shawn Levy e Dan Cohen.
Elenco: Winona Ryder, David Harbour, Finn Wolfhard, Millie Bobby Brown, Gaten Matarazzo, Caleb McLaughlin, Natalia Dyer, Charlie Heaton, Cara Buono, Matthew Modine, Joe Chrest, Joe Keery, Rob Morgan.

Lembrando que uma segunda temporada já foi confirmada pela Netflix
Compartilhe este post:

Luis Fernandes

"Nós dois fitamos o abismo, mas quando ele olhou de volta, você piscou"