Fuller House – Piloto e Primeiras Impressões

Em Abril de 2015 a Netflix anunciou que produziria uma nova temporada da famosa série dos anos 80, Full House (Três é Demais para nós). Série responsável por lançar as Gêmeas Olsen ao estrelato. Porém, a série não seria uma continuação direta da série original, mas também não seria um reboot. A nova série pode ser classificada como uma atualização da série original para os dias de hoje, trazendo temas muito mais modernos em pauta que não puderam ser explorados na série original.
 
 
O primeiro episódio começa com a abertura da série clássica Full House que é rapidamente substituído por 29 Anos Depois…. Logo em seguida somos reapresentados aos protagonistas da série original, agora 29 anos mais velhos. Danny Tanner (Bob Saget) o pai da família está praticamente irreconhecível da sua versão dos anos 80, porém Jesse (John Stamos) e Joey Gladstone (Dave Coulier) mal parecem ter envelhecido. Destaque para Jesse e sua esposa Rebecca Donaldson-Katsopolis (Lori Loughlin) que ainda possuem em parte aquele aspecto juvenil que tinham na série original. No começo é estranho ver D.J. (Candace Cameron) e Stephanie (Jodie Sweetin) adultas e com personalidades totalmente diferentes da série original, porém este é um fato que você supera rapidamente com o passar do episódio. Já Kimmy Gibbler (Andrea Barber) aparenta ser o mesmo personagem da série clássica, a amiga maluca de D.J..
 
Finalmente somos apresentados aos filhos de D.J. que farão contraparte às meninas na série original. As maiorias deles não são do conhecimento do grande publico então vale à pena apresentá-los e mostrar sua contraparte na série original.
 
Jackson – D.J.

Michael Campion interpreta o irmão mais velho da família, assumindo assim o papel de D.J. na série original. Não fica muito claro se sua personalidade será similar ou não a de D.J..
 
Max – Stephanie

Elias Harger interpreta o irmão do meio, assumindo o papel de Stephanie na série original, porém é mostrado logo de cara que sua personalidade é muito similar a de seu avô Danny Tanner.
 
Tommy – Michelle

Dashiell e Fox Messitt interpretam o bebê da casa nesta nova versão, assumindo o papel de Michelle na série original. Interessante o fato de terem mantido um casal de gêmeos nesta nova versão da série, assim perpetuando a piada existente com as Gêmeas Olsen
 
Ramona – Kimmy

Soni Nicole Bringas interpreta a filha de Kimmy Gibbler e aparentemente será sua contraparte com a série original, não é mostrado muito de sua personalidade neste primeiro episódio.
 
Também estão presentes nesse episódio, Steve (Scott Weinger) o primeiro amor de D.J., Nicky Katsopolis (Blake Tuomy-Wilhoit) e Alex Katsopolis (Dylan Tuomy-Wilhoit) os filhos gêmeos de Jesse e Rebecca.
 
Após tudo isso a abertura da nova série passa e somos apresentados pela primeira vez ao nome Fuller House, um paródia obvia com o nome Full House.
 
Como vocês puderam ver praticamente todo o elenco original retornou para o primeiro episódio da série, com exceção das Gêmeas Olsen, por uma questão orçamentária creio eu. Porém, isso não influencia em nada a dinâmica da nova série. Fato que é levado com humor no primeiro episódio onde é citado que “Michelle está ocupada cuidando do seu império da moda em Nova York”. Frase seguida por uma encarada irônica para a câmera, uma provável indireta para as Gêmeas Olsen.
 
O primeiro episódio da nova série é uma alusão total ao piloto da série original, fazendo referências visuais e muitas vezes escrachadas da mesmo, porém, próximo ao fim do episódio ,todos se reúnem para cantar a abertura de Os Flintstones para Tommy, uma referência óbvia ao primeiro episódio da série clássica onde a mesma música é cantada para Michelle, porém o episódio original é colocado em tela lado a lado a cena da série nova para servir como ponto de referência. Talvez para forçar mais ainda a nostalgia no espectador, fato que eu acho desnecessário, pois tira aquela alegria que você sente ao descobrir uma grande referência em um filme ou uma série já que o próprio episódio já te entrega a mesma.
 
A dublagem está perfeita para quem gostava da série original contando com alguns dubladores da mesma, além de não perder seu tom humorístico tendo algumas piadas adaptadas e localizadas.
 
O retorno de Três é Demais é algo muito nostálgico para quem acompanhou a série clássica durante anos nas tardes do SBT. A série possui um futuro brilhante desde que bem trabalhado. Ponto em que a Netflix nunca decepcionou. Então aguarde que em breve teremos a análise da primeira temporada completa aqui no InVader.
 
O que você achou dessa nova Série Original da Netflix, e qual outra série você acha que também merecia uma continuação?! Deixe sua opinião nos comentários.

ribrichards

Co-fundador do InVader e Host no Failcast | Me siga nas redes-sociais, é tudo @ribrichards!