Crítica – Snoopy & Charlie Brown: Peanuts – O Filme

[SEM SPOILERS]
Sinopse: Charlie Brown (Noah Schnapp) quer impressionar a sua nova vizinha e nova aluna da escola, a Garota do Cabelo Vermelho (Francesca Angelucci Capaldi). Para isso precisará eliminar sua fama de atrapalhado e desastrado construída durante os anos. Sua turma da escola irá ajudá-lo nisso, em especial sua irmã Sally (Mariel Sheets), os irmãos Lucy (Hadley Belle Miller) e Linus (Alex Garfin) e o artista da turma Schroeder (Noah Johnston). Snoopy (Bill Melendez) também irá ajudar Charlie Brown, mas ao mesmo tempo está em uma ‘missão’ para salvar sua amada.
 


Quando eu era mais novo vi e revi inúmeras vezes o longa Volta para Casa, Snoopy! (1972), ainda em VHS. Não me lembro de nada do filme, mas sempre guardei na memória afetiva os personagens da turma de Charlie Brown. Peanuts, como as histórias são conhecidas no mundo todo, é uma criação do americano Charles M. Schulz (1922-2000), sendo publicada originalmente em 1950 em jornais e posteriormente migrando para outras mídias. Embora no Brasil tenha chegado de maneira fragmentada e pontual, Peanuts é um sucesso de público e crítica nos Estados Unidos, sendo que Schulz possui uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood. Para nós brasileiros Snoopy é o maior representante de Peanuts, com o personagem sendo licenciado para diversos produtos. Mas fazia falta um material mais relevante para que nós novamente fossemos apresentados ao universo de Charlie Brown e sua turma. Snoopy & Charlie Brown: Peanuts – O Filme cumpre perfeitamente esta função.

O americano Steve Martino é veterano do estúdio de animação Blue Sky, mas seu currículo é totalmente desbalanceado. Ao mesmo tempo em que dirigiu uma animação absolutamente agradável como Horton e o Mundo dos Quem (2008), Steve realizou o quarto capítulo de uma franquia que já deveria ter se encerrado, o sonífero A Era do Gelo 4 (2012). Felizmente o diretor acerta o Tom deste Snoopy & Charlie Brown: Peanuts – O Filme, entregando um longa inocente, com um ritmo absolutamente próprio e com personagens cativantes. Steve sabe no universo em que está mexendo, sabe a importância que os personagens possuem na cultura americana, principalmente, e sabe que qualquer descaracterização do material original seria motivo para críticas. Então o que o diretor faz é contar uma história de Peanuts, com a alma de Peanuts, mas com uma roupagem nova para apresentá-lo a um novo público: a animação em 3D.

Para um público que está acostumado com animações aceleradas e frenéticas como Madagascar (2005-2012) ou transbordando sentimentos como Up – Altas Aventuras (2009), este longa de Peanuts pode ser frustrante se o espectador não for com a mente aberta e sem preconceitos. O longa possui um ritmo próprio, com uma história simplória, onde a dinâmica entre os personagens e a riqueza dos mesmos é o que carrega a narrativa. As interações entre Charlie Brown e Snoopy, Snoopy e Woodstock, Patty Pimentinha e Marcie, entre outras são o ponto alto do filme, já que Schulz criou personagens simples na aparência, mas incrivelmente cativantes nas dinâmicas entre eles. 
 
A inocência com que a história é contada agrada e não soa forçada. Aquele universo foi construído daquela maneira e daquela maneira é retratado no filme. É interessante o fato de não haver adultos representados na história, aumentando o ar de inocência e pureza daquele universo. Toda a história é contada sob o ponto de vista das crianças e tendo como personagens apenas elas. Para aqueles que não estão familiarizados com Peanuts algumas coisas podem parecer jogadas demais, como a paixão platônica de Lucy por Schroeder e de Sally por Linus, causando alguma estranheza por aquele universo já ter conceitos e dinâmicas estabelecidas. Ao mesmo tempo, o personagem Charlie Brown, por ser o principal, é bem desenvolvido, facilitando o acompanhamento da narrativa. 
 
Snoopy possui uma história paralela interessante de acompanhar, recheando um filme em que a história principal simplória não oferece muitas oportunidades de sequências um pouco mais enérgicas. A antropomorfização de Snoopy é a principal marca do beagle criado por Schulz, resultando em um personagem com personalidade própria, humor e imaginação. As sequências em que o cachorro quer ensinar o dono alguma coisa para ajudá-lo estão entre as mais engraçadas do longa. E humor é o que não falta neste filme, principalmente humor físico e visual, não havendo diálogos mais rápidos, referências ou tiradas cômicas dos personagens.

A animação utilizada em Snoopy & Charlie Brown: Peanuts – O Filme é um pouco diferente da animação 3D convencional, resultando em uma marca visual interessante. O filme é muito colorido, o que sempre gera mais foco das crianças, que no final das contas é o público alvo. Há algumas sequências em que a animação 3D é substituída pela 2D, gerando um contraste visual chamativo. A trilha sonora é composta basicamente por temas leves e animados, que combinam perfeitamente com o tom geral do filme. A dublagem nacional é eficiente, felizmente sem famosos para estragá-la. Foram utilizadas crianças para a dublagem dos persongens, o que aumenta a credibilidade do trabalho e diminui a rejeição do público mais adulto que foi traumatizado, principalmente na década de 90, pela utilização de adultos para dublar crianças. 
 
Com uma história redonda, enxuta e sem margem para muitas contestações, Snoopy & Charlie Brown: Peanuts – O Filme consegue agradar as crianças pelo visual chamativo e os adultos que estiverem dispostos a uma experiência diferente da convencional em termos de animação. Utilizando-se de uma aura ingênua e de um ritmo próprio, o longa ganha com a dinâmica dos personagens e suas características marcantes.

Nota: 8,0

TRAILER


INFORMAÇÕES

Nota: 8,0

Titulo Original: The Peanuts Movie

Titulo Nacional: Snoopy & Charlie Brown: Peanuts – O Filme
Direção: Steve Martino
Duração: 88 Minutos 
Ano de Lançamento: 2015
Lançamento nos EUA: 06/11/2015
Lançamento no Brasil: 14/01/2016

Elenco: Noah Schnapp, Mariel Sheets, Hadley Belle Miller, Alex Garfin, Francesca Angelucci CapaldiBill Melendez e Noah Johnston. 
 

Derek Moraes

Cinéfilo de carteirinha. Nerd de plantão para preencher as mentes ávidas por informações e conhecimento. Especialista em transformar simples conversas em viagens a Hogwarts, Terra Média, Westeros e uma galáxia muito, muito distante.