Crítica – Os 33

[SEM SPOILERS]
Sinopse: No dia 05 de agosto de 2010, 33 mineiros ficam presos na mina de ouro e cobre de San José, no Chile. Nos 69 dias seguintes, os mineiros, chefiados por Mario Sepúlveda (Antonio Banderas) e Don Lucho (Lou Diamond Phillips), terão que sobreviver com comida e água racionados, além de terem que sobreviver em um espaço minúsculo. Enquanto isso, o governo do Chile, na figura do Ministro de Minas Laurence Golborne (Rodrigo Santoro), precisa desenvolver um plano de resgate inédito e ainda lidar com a pressão dos familiares dos mineiros, como María Segovia (Juliette Binoche). Para tal feito, irão contar com o auxílio do engenheiro André Sougarret (Gabriel Byrne).        
O resgate dos 33 mineiros chilenos em 2010 prendeu a atenção de todo o mundo, levando a uma rara cooperação entre países e a um dos feitos de engenharia mais sensacionais da história. Poucas vezes pode-se ver um desastre se transformar em um triunfo. E foi o que aconteceu. Embora estivessem em uma situação que beirava a morte, os mineiros chilenos conseguiram sobreviver por dias e dias sem nem ao menos saberem se seriam resgatados. As marcas psicológicas que eles sofreram ficarão para a vida toda, e seria difícil retratar tais efeitos em um filme. Seria necessário um toque delicado para que a tortura psicológica da situação não fosse suplantada pelo plano de resgate, e vice-versa. Este longa, que não é o primeiro a retratar esta história, mas é o mais famoso, consegue um equilíbrio eficiente entre duas narrativas que precisam funcionar harmonicamente para que o espectador acompanhe de maneira satisfatória a trajetória dos recentes heróis do Chile.
 
A diretora mexicana Patricia Riggen possui em seu currículo muitos curta-metragens e mesmo os seus longas não são famosos fora de seu país. Sua escolha para dirigir Os 33 possivelmente se deu pela identidade que a diretora teria com uma história passada em um país latino. Patricia não compromete o longa, realizando um trabalho competente e relevante e consegue dirigir com eficiência atores internacionalmente prestigiados como Antonio Banderas e Juliette Binoche. A própria escolha do elenco é interessante, sendo formado por atores de várias nacionalidades como a francesa Juliette Binoche, o espanhol Antonio Banderas, o brasileiro Rodrigo Santoro e o irlandês Gabriel Byrne, fazendo um paralelo aos esforços conjuntos de vários países para resgatar os mineiros. Mesmo sem ter uma marca que a distingua na direção, a diretora mexicana faz um trabalho de alto nível que possivelmente abrirá muitas portas em Hollywood.
 
A história do longa é conhecida por todos, então a falta de surpresas quanto ao seu final poderia ser um problema, mas o roteiro é inteligente ao não gastar muito tempo na operação final de resgate, e sim dar mais ênfase a tudo o que aconteceu antes até chegar a aquele momento. O primeiro até é clichê, porém importante para estabelecer alguns mineiros como os protagonistas da história. Mesmo abordando a história de 33 mineiros, a narrativa se concentra em meia dúzia deles, para não inchar o roteiro de nomes e problemas pessoais. Somos apresentados a alguns deles em uma confraternização, alguns dramas já são estabelecidos como o mineiro que vai se aposentar em breve, outro que será pai pela primeira vez, um viciado em álcool e um que possui uma amante. Depois ocorre o desastre e toda a mobilização das pessoas para ajudá-los. A narrativa alterna entre o drama dos mineiros nos esforços de achar uma saída e, principalmente, racionar água e comida e na mobilização primeiro discreta, depois gigantesca, de pessoas e países para ajudar as vítimas. E todos os dramas pessoais apresentados no primeiro ato começam a ser inseridos no desenvolvimento do segundo, como a crise de abstinência do alcoólatra e a amante que é proibida de acompanhar o andamento das operações de resgate, por exemplo. Ainda há espaço para que seja mostrado alguns dos efeitos psicológicos que aquela situação está causando nos mineiros, como delírios, surtos psicóticos e violência latente. 
 
Até o momento em que o mundo ainda não sabe se os mineiros estão vivos ou não, a história segue um ritmo mais lento, mostrando todo o desenvolvimento das situações tanto em cima quanto embaixo da terra. A partir do momento em que a comunicação com os mineiros acontece, a trama começa a se desenrolar de maneira mais rápida, afetando o ritmo e o desenvolvimento da narrativa. Algumas situações começam a ser mostradas através do noticiário da televisão, sendo que a cobertura da mídia estava esquecida até aquele momento, o que diminui o impacto da história, já que a mídia sempre esteve repercutindo os acontecimentos da mina de San José desde o primeiro dia do acidente. Quando o longa se aproxima da operação de resgate final o ritmo volta a ficar mais lento, e podemos ver realmente a cobertura da mídia do mundo todo na expectativa do sucesso da empreitada. 
Antonio Banderas volta a ter um papel relevante e digno de seu talento. O ator é voluntarioso e carismático, convencendo perfeitamente como o responsável por organizar e estruturar toda a logística dos outros mineiros presos. É um papel importante e Banderas percebe isso e agarra o personagem, dando uma das melhores performances de sua carreira. Rodrigo Santoro finalmente consegue um papel de destaque em Hollywood, com um personagem importante para a história do filme. Inicialmente antipático e submisso, o personagem cresce com o seguimento da narrativa e o ator cresce junto. É uma ótima atuação de um ator que ainda não tem o espaço que merece, pelo seu talento, no cinema americano. Juliette Binoche está bem como sempre, se firmando como a principal atriz francesa da atualidade, entregando uma interpretação discreta e aparentemente tímida, mas que tem total relevância na trama. Gabriel Byrne também está bem, interpretando um personagem importante e convencendo como o engenheiro com experiência suficiente para, talvez, conseguir resgatar os mineiros com vida. Lou Diamond Phillips está eficiente como o supervisor da equipe de mineiros que ficou presa, fazendo um personagem experiente na sua função e que sabe a parcela de culpa que possui pela situação em que ele e os outros mineiros se encontram. O resto do elenco é formado por atores latinos menos conhecidos do público, e seus personagens não possui destaque relevante na trama, embora seus dramas pessoais sejam importantes para dar profundidade aos mineiros.
 
O fato dos personagens falarem inglês em vez de espanhol não chega a incomodar e menos ainda o fato dos atores escolhidos não serem nem minimamente parecidos com os verdadeiros mineiros, que são apresentados em uma linda sequência final em preto e branco. Os 33 é um filme emocionante, interessante e apresenta uma história de superação espetacular. Merece ser visto no cinema, onde a sensação de desespero dos mineiros é intensificada, assim como a emoção do sucesso.
Nota: 8,0 

TRAILER


INFORMAÇÕES
Nota: 8,0

Titulo Original: The 33

Titulo Nacional: Os 33
Direção: Patricia Riggen 
Duração: 120 Minutos 
Ano de Lançamento: 2015
Lançamento nos EUA: 13/11/2015 
Lançamento no Brasil: 29/10/2015
 

Elenco: Antonio Banderas, Rodrigo Santoro, Juliette Binoche, Gabriel Byrne e Lou Diamond Phillips.

Compartilhe este post:

Derek Moraes

Cinéfilo de carteirinha. Nerd de plantão para preencher as mentes ávidas por informações e conhecimento. Especialista em transformar simples conversas em viagens a Hogwarts, Terra Média, Westeros e uma galáxia muito, muito distante.