Crítica – Angry Birds: O Filme

[SEM SPOILERS]
Sinopse: Após um incidente, o estressado Red (Jason Sudeikis) é enviado para a terapia em grupo comandada por Mathilda (Maya Rudolph) para controlar sua raiva. Na terapia Red conhece o frenético Chuck (Josh Gad) e o explosivo Bomba (Danny McBride). A chegada dos porcos chefiados por Leonard (Bill Hader), causa estranheza em Red, fazendo-o buscar a ajuda do lendário Mega Águia (Peter Dinklage) para entender os reais interesses dos visitantes.

Angry Birds talvez seja um dos grandes fenômenos que ajudaram a consolidar os smartphones. Lançado em 2009, uma época em que este tipo de dispositivo móvel ainda estava em início de carreira, o aplicativo dos pássaros raivosos que querem pegar de volta seus ovos roubados pelos porcos foi e ainda é um sucesso pela sua jogabilidade criativa e pelos personagens carismáticos. Vendo potencial de fazer dinheiro em cima de um material ainda pouco explorado em outras mídias, a Sony fez um acordo com a Rovio Entertainment, empresa responsável por desenvolver os jogos de Angry Birds, para adaptar seu principal produto nos cinemas. Acordo fechado, orçamento liberado (US$ 80,0 Milhões), roteiro escrito, dubladores escalados, filme animado e agora lançado. O resultado final é bastante divertido e visualmente chamativo, mas com um conteúdo bem razoável, algo bem semelhante ao que acontece com outra franquia de sucesso do departamento de animações da Sony: Hotel Transilvânia (2012 e 2015), em que aquilo que estava sendo visto era muito mais interessante do que aquilo que estava sendo contado. 
 

Fergal Reilly e Clay Kaytis são desconhecidos em Hollywood, tendo apenas trabalhado como animadores, mas nunca na função de diretores. Possivelmente os diretores estavam lá apenas para coordenar os trabalhos do filme, sem muita influência criativa e sem muito poder de decisão, já que ainda não possuem currículo para tal. Por sorte o filme consegue atingir o seu público alvo com eficiência, ou seja, as crianças se divertem e compram a ideia do longa, levando seus pais que se divertem, mas sabem que falta conteúdo  para tornar o filme mais memorável. 

O trio de pássaros principais possui uma dinâmica rica e são ótimos carregadores da narrativa, agradando ao público toda a vez em que estão em cena. As sessões de terapia obviamente são um mecanismo do roteiro para fazer com que os três protagonistas se conheçam, mas funcionam para conhecermos mais do passado dos personagens e suas habilidades. Estas habilidades dos protagonistas e de outros pássaros, aliás, são fundamentais para que, no terceiro ato, seja criada uma das sequências que transportam com mais fidelidade a jogabilidade de um jogo para as telas na história da sétima arte. É neste terceiro ato que todo o fã dos jogos dos Angry Birds se sente realizado. A diversidade dos personagens coadjuvantes ajuda a diversificar as personalidades dos pássaros e enriquecer mais aquela sociedade mostrada. Curiosa também é a figura da Mega Águia que, sendo considerada uma espécie de lenda naquele mundo, tem a sua existência constantemente contestada, gerando certo desconforto no espectador, já que boa parte da solução dos problemas que os protagonistas enfrentam é colocada nas costas daquela figura. A chegada dos porcos serve para trazer uma mudança na rotina pacífica dos pássaros que, incrivelmente, recebem bem essa mudança, que inclui a presença de veículos trafegando em suas ruas e visitantes desconhecidos participando do seu dia a dia.

Algumas coisas incomodam na narrativa, como a distância entre as ilhas dos porcos e dos pássaros ser tão pequena, mas as duas civilizações nunca terem se encontrado antes. A tecnologia avançada dos porcos nunca é explicada, embora possua importância para impressionar os pássaros. Há algo que me incomodou bastante, mas que não é culpa do filme em si e sim da Sony. Muitos dos cartazes e placas mostrados durante o filme não são localizados para o nosso país. Se a empresa não quer mudar o idioma da placa ou cartaz em si, que demandaria mais trabalho da equipe de animadores, pelo menos colocar uma legenda ou uma narração em off traduzindo o que está escrito. Visto que o público alvo do longa são as crianças, fica difícil compreender uma decisão dessas, limitando a compreensão de quem assiste de tudo o que está sendo mostrado na tela. A história é simplória demais, faltando um recheio que crie relevância para ela. A maioria dos estúdios de animação de Hollywood, com excessão da Pixar e da DremWorks, acham que qualidade técnica e qualidade narrativa não podem coexistir em seus filmes e sempre investem em filmes bonitos e com um ritmo frenético, que são aquilo que mais atraem e agradam às crianças.
 
 A trilha sonora do filme investe em músicas famosas para trazer aquele ar de familiaridade que o espectador mais adulto gosta. O resto da trilha sonora é esquecível, mas funciona durante o filme, pontuando as sequências de maneira eficiente. A montagem segue um padrão conveniente para não perder a atenção das crianças: um ritmo frenético, sem muita perda de tempo para desenvolvimento de personagens e nem conversas muito longas. A animação é muito bonita e caprichada, ficando evidente um capricho na criação das penas dos pássaros, tornando mais crível aquilo que está sendo assistido, aumentando o valor da produção como um todo. A direção de arte é belíssima, evidenciando a ilha dos pássaros e sua simplicidade nas construções e estruturas. Mas é na ilha dos porcos que a direção de arte é mais realçada, já que toda a construção das casas é propícia para o que acontece no terceiro ato. Há ainda uma sequência em especial que é uma referência direta àquela do Mercúrio (Peter Evans) em X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (2014), mas sem o mesmo ar de novidade.


A dublagem brasileira é eficiente e funciona mesmo com a adição de personalidades para dublar os personagens principais. Marcelo Adnet e Dani Calabresa funcionam como Red e Mathilda respectivamente, ficando tão orgânica a dublagem que o espectador mal percebe que não são profissionais na função. Fábio Porchat está perfeito como Chuck, colocando toda sua fala rápida e seu voluntarismo a favor do personagem, um casamento entre dublador e personagem que parece óbvio em um primeiro olhar, mas que são méritos do ator e do diretor de dublagem. Já a dublagem dos Irmãos Piologo e da Pathy dos Reis é totalmente imperceptível, não por serem boas, mas sim por serem em personagens tão secundários que o espectador mal percebe. Os nomes deles nem deveriam estar no cartaz do filme, mas servem como marketing para atrair os fãs destas personalidades. Guilherme Briggs como Leonard e Mauro Ramos como Bomba, dois excelentes dubladores, continuam fazendo ótimos trabalhos e muitas vezes melhorando produtos que não são assim tão bons, mas que, com a presença dos dois no elenco de dublagem, eleva a qualidade do produto. 

Angry Birds – O Filme é agradável de ser assistido, diverte e é visualmente atraente, mas possui uma história fraca e uma falta de cuidado da Sony com o público brasileiro que incomodam. Vale ser assistido sem compromisso e sem muitas expectativas que o longa possa passar uma mensagem ou algo do tipo, mas sim como uma simples diversão escapista. 

NOTA: 7,0

 
 
INFORMAÇÕES
Título: Angry Birds – O Filme (The Angry Birds Movie)
Direção: Fergal Reilly e Clay Kaytis 
Duração: 97 Minutos
Lançamento: Maio de 2016
Elenco: Jason Sudeikis, Josh Gad, Danny McBride, Maya Rudolph, Bill Hader e Peter Dinklage.
Compartilhe este post:

Derek Moraes

Cinéfilo de carteirinha. Nerd de plantão para preencher as mentes ávidas por informações e conhecimento. Especialista em transformar simples conversas em viagens a Hogwarts, Terra Média, Westeros e uma galáxia muito, muito distante.